Notícias

PROFESSORA DO IFC E ASSOCIADA DA ANG SC REALIZA AÇÃO SOLIDÁRIA PARA A ASSOCIAÇÃO DA MELHOR IDADE (AMAI)

Em virtude da pandemia, a Direção Sindical (SINASEFE Litoral) alocou os recursos que usualmente são utilizados para às confraternizações de final de ano das unidades do Instituto Federal Catarinense (IFC), em ações solidárias. Desta forma, foi destinado R$17.500,00 para ações solidárias nas regiões em que estão situadas as unidades dos Institutos Federais (IFC). Diante desta oportunidade, a servidora Flávia de Souza Fernandes, professora no IFC em Camboriú e associada da Associação Nacional de Gerontologia de Santa Catarina (ANG SC), escreveu duas ações, uma delas para contemplar a Associação da Melhor Idade (AMAI), que é uma associação sem fins lucrativos reconhecida como associação de utilidade pública e tem por finalidade promover a qualidade de vida por meio de atividades cognitivas, físicas e sociais para as pessoas idosas. É também a entidade que representa as pessoas idosas no Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa no país. A AMAI atua com o ensino de línguas desde o ano de 2012 e, desta forma, a associação contribui com experiências bem sucedidas para a garantia de oportunidades, acesso e permanência nos processos de aprendizagem para às pessoas idosas da região do Vale do Itajaí. Permitindo ainda, a participação no Mapeamento de boas práticas em ações voltadas para a melhoria da qualidade de vida da população idosa e por este motivo, recebeu o valor de R$2.500,00 destinado da ação solidária do SINASEFE Litoral para compra de produtos de higiene e limpeza. A entrega das doações ocorreu no dia 15 de fevereiro na presença da presidente da entidade, sra. Antoninha Laídes Fritz na sede em Balneário Camboriú.

Doações feitas para a AMAI
Notícias

ESTUDO PRELIMINAR DA UFSC COM A VACINA TRÍPLICE VIRAL DEMONSTRA RESULTADOS PROMISSORES NA PREVENÇÃO E SEVERIDADE DA COVID-19

Flávia de Souza Fernandes – Doutora em Ciências da Saúde

Em dezembro de 2019 surgiu na China um novo coronavírus denominado “Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus-2” (SARS-CoV-2), mais conhecido por COVID-19. A COVID-19 é uma doença infecciosa e tornou-se o mais grave problema de saúde pública, tendo sido declarada uma pandemia em 11 de março de 2020. Foram confirmados, até o momento, no mundo 102.791.996 casos e 2.224.395 mortes até 31 de janeiro de 2021.

No Brasil, não há dados disponíveis sobre o número de casos novos na faixa etária pediátrica. mas estudos chineses, italianos, ingleses, espanhóis, franceses e norte-americanos estimam que o número de casos na faixa pediátrica seja de 1% a 5% do total dos casos confirmados. Já nas pessoa idosas, este número cresce significativamente. Todos correm o risco de contrair COVID-19, mas as pessoas idosas têm maior probabilidade de desenvolver a forma grave da doença. Pessoas idosas com mais de 80 anos tem uma probabilidade cinco vezes maior de morrer pela infecção, revela o relatório das Nações Unidas. Este também é o caso das Américas, onde a maioria das mortes por COVID-19 ocorre entre pessoas com 70 anos ou mais, seguidas de pessoas com idade entre 60 e 69 anos.

Os sintomas mais comuns da COVID-19 são febre, cansaço e tosse seca. Alguns pacientes podem apresentar dores, congestão nasal, dor de cabeça, conjuntivite, dor de garganta, diarreia, perda de paladar ou olfato, erupção cutânea na pele ou descoloração dos dedos das mãos ou dos pés. Esses sintomas geralmente são leves e começam gradualmente. Diante deste quadro no país, diversas medidas de isolamento social foram instituídas como: o fechamento das escolas, universidades, clubes, praças, parques e locais de atividade física, o que enclausurou adultos, crianças e pessoas idosas. Mesmo estudos comprovando que  as pessoas idosas são as mais afetadas pela doença, foi necessário este protocolo por pouco se saber sobre o vírus e para prevenir a propagação da mesma. As crianças e os adolescentes foram afastados do convívio social e forçados ao isolamento e, desde então, iniciou uma busca incessante para produzir uma vacina para tratar a COVID-19.

Em dezembro de 2020, algumas vacinas receberam autorização para uso emergencial em alguns países. Estudos abrangentes sobre várias vacinas candidatas têm relatado resultados preliminares encorajadores e algumas já foram aprovadas para uso na população, enquanto outras, ainda precisam da aprovação das autoridades regulatórias nacionais. Um estudo realizado pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), intitulado: Estudo de Eficácia Clínica Fase III, randomizado, duplo cego, placebo controlado da Vacina MMR (Sarampo, Caxumba e Rubéola) na Prevenção ou Redução da Severidade da COVID-19 em Homens e Mulheres de 18 a 60 anos Profissionais da Área da Saúde, está sendo realizado e apresentou resultados preliminares muito promissores. Cabe ressaltar que o estudo acontece no do Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina (HU-UFSC), com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa Catarina (FAPESC).

 

Foto: Cristiano Estrela / Arquivo / Secom

 

Segundo o pesquisador responsável pela pesquisa, o Professor Edison Natal Fedrizzi, “estudos têm mostrado que algumas vacinas, particularmente as com microorganismos vivos e atenuados apresentam uma excelente resposta imunológica a vários outros agentes não presentes na vacina, a chamada imunidade heteróloga. Esta imunidade está relacionada com a primeira fase de estimulação do nosso sistema de defesa frente a algum agressor e é inespecífica (imunidade inata), ou seja, age frente a qualquer micoorganismo oportunista”.

Os resultados preliminares deste estudo demonstraram que não houve redução no número de casos de COVID-19 no grupo vacinado, comparado ao grupo placebo. No entanto, observou-se o dobro de risco de os pacientes que receberam placebo apresentarem casos sintomáticos em comparação ao grupo vacinado, ou seja, uma redução de 54% de chance de o grupo vacinado ter COVID-19 sintomática (RR=2,13; IC95%:1,03 a 4,43; p=0,024). Também houve redução no risco de internação hospitalar de 74% para os vacinados (RR: 0,26; IC95%: 0,07 a 0,99; p=0,036).

Detalhando um pouco mais sobre esta vacina (MMR), sabe-se que é composta pela combinação de vírus vivos atenuados, distribuída na Rede pública para prevenir Sarampo, Caxumba, Rubéola e aplicada em todas as crianças aos doze meses de idade e nos momentos em que ocorrerem as campanhas de seguimento para vacinação. Esta vacina tem indicação de ser aplicadas também em adolescentes e adultos.

Os resultados do estudo da equipe da UFSC demonstraram resultados de eficácia semelhante a algumas vacinas específicas divulgados em estudos recentes. O responsável pela pesquisa alerta: “Em hipótese alguma a vacina tríplice viral irá substituir a vacina específica. No entanto, seria muito útil se fosse possível vacinar os grupos não prioritários com esta vacina até que tenhamos a disponibilidade de vacinar toda a população com as novas vacinas contra a COVID-19”.

É fundamental lembrar que, embora as vacinas possam ajudar a acabar com a pandemia, as medidas preventivas devem ainda serem tomadas, para que o vírus não se espalhe e cause mais mortes. Por isso, recomendo que toda a população deve lavar as mãos frequentemente com água e sabão, utilizar álcool em gel e cobrir a boca com o antebraço quando tossir ou espirrar (ou utilize um lenço descartável). Ainda, é importante manter-se a pelo menos 1 metro de distância das outras pessoas. A nível individual, essas medidas de proteção funcionam, inclusive, contra as novas variantes identificadas até o momento.

Confira um vídeo do Programa Balanço Geral, que traz mais detalhes sobre a pesquisa (ACESSE AQUI).

 

Fontes de dados:

www.paho.org/pt/vacinas-contra-covid-19

https://www.paho.org/pt/covid19

http://www.iff.fiocruz.br/pdf/covid19_saude_crianca_adolescente.pdf

https://www.sc.gov.br/noticias/temas/ciencia-e-tecnologia/estudo-preliminar-indica-que-vacina-triplice-viral-diminui-pela-metade-o-risco-de-ter-covid-19-sintomatica

 

 

 

 

 

Notícias

VACINAÇÃO CONTRA A COVID-19 INICIA EM SANTA CATARINA: A IMPORTÂNCIA DOS IDOSOS COMO GRUPO PRIORITÁRIO

Paulo Adão de Medeiros – Doutor em Saúde Coletiva

Foram muitos meses de angústia e espera pela chegada de uma vacina que pudesse frear a pandemia e trazer esperança de novos tempos. Nos últimos meses a comunidade científica realizou inúmeros esforços para acelerar a descoberta de um imunizante, sem abrir mão de segurança, o que vem exigindo grandes desafios.

Nesta segunda-feira, dia 18 de janeiro de 2021, foi iniciada oficialmente a vacinação contra a Covid-19 em Santa Catarina tornando-se um marco histórico em nosso Estado. A abertura da campanha ocorreu em um ato público no Instituto de Cardiologia, em São José, na Grande Florianópolis contando com a presença do Governador e de várias autoridades.

O primeiro idoso vacinado em SC foi João de Jesus Cardoso, de 81 anos, residente no Lar de Zulma (São José) desde março de 2017, representando todos os idosos que se encontram institucionalizados.

 

Fotos: Ricardo Wolffenbuttel / Secom

 

Em contato com a instituição foi disponibilizado um vídeo gravado com o idoso relatando que gostou de participar da vacinação, que não ficou nervoso e que daqui pra frente as coisas vão melhor. Ele também agradeceu a Deus pedindo a Ele para nos ajudar.

Além do senhor João foram vacinados o enfermeiro Júlio César Vasconcellos de Azevedo, de Florianópolis e a gestora ambiental Eunice Antunes (nome indígena Kerexu Yxapyry), liderança da terra indígena Morro dos Cavalos, em Palhoça.

 

ALGUNS PASSOS ATÉ A CHEGADA DA VACINA

08/12/2020 – A revista científica The Lancet publicou os dados preliminares da última fase de testes da vacina da Universidade Oxford em parceria com o laboratório AstraZeneca.

16/12/2020 – Lançamento do Plano Estadual de Vacinação contra a Covid-19 em Santa Catarina, estabelecendo que o trabalho de imunização da população catarinense ocorrerá em consonância com o Governo Federal e os municípios.

06/01/2021 – Os diretores e pesquisadores do Instituto Butantan participaram de uma reunião técnica e apresentaram os primeiros dados sobre a eficácia da vacina Coronavac.

08/01/2021 – O Instituto Butantan, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac entraram com pedido de uso emergencial da vacina Coronavac na Anvisa.

08/01/2021 – A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) entrou com pedido de uso emergencial da vacina desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca/Oxford na Anvisa.

17/01/2021 – A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o uso emergencial das primeiras doses das vacinas contra a covid-19: AstraZeneca/Oxford e Coronavac.

18/01/2021 – As vacinas chegaram ao Estado e foram alocadas no centro de armazenamento e distribuição da Secretaria de Estado da Saúde em São José. Santa Catarina recebeu pouco mais de 144 mil doses que serão direcionadas aos grupos prioritários.

18/01/2021 – Abertura da campanha de vacinação com cerimônia na Grande Florianópolis.

19/01/2021 – Logística de distribuição da vacina para as regionais de saúde espalhadas por todo o Estado com início da vacinação pelos municípios.

 

OS IDOSOS COMO GRUPO PRIORITÁRIO

O Plano Estadual de Vacinação (ACESSE AQUI) tem o objetivo de operacionalizar e definir as diretrizes de vacinação contra Covid-19 no território catarinense por meio da Secretaria de Estado da Saúde. Este plano está em conformidade com as diretrizes nacionais e define que a vacinação ocorrerá em quatro etapas priorizando grupos e considerando informações epidemiológicas, comorbidades e dados populacionais.

A população idosa é considerada como grupo prioritário e por isso na fase 1 constam as pessoas com 60 anos ou mais que vivem em Instituições de Longa Permanência e idosos da comunidade a partir dos 75 anos de idade, além dos trabalhadores da saúde e população indígena. Já na fase 2 devem ser vacinadas as pessoas de 60 a 74 anos cuja a estimativa é de 844.644 pessoas.

Devido a disponibilidade restrita da vacina neste momento, o Ministério da Saúde enviou 144.040 doses ao estado e, assim, a previsão é imunizar em torno de 68 mil catarinenses, considerando que são necessárias duas doses. Portanto, definiu-se que inicialmente serão vacinadas as pessoas com mais de 60 institucionalizadas (6.026); população Indígena (7.710) e trabalhadores da saúde (54.385). A intenção é proteger os grupos mais vulneráveis ou mais expostos à infecção e fechar as possíveis cadeias de transmissão nas ILPIs imunizando, inclusive, os trabalhadores destes locais.

Altas letalidades por Coronavírus (SARS-CoV-2) têm sido associadas a pacientes idosos ou à presença de comorbidades mais comuns nestes pacientes ocasionadas por maiores déficits no sistema imunológico. As Instituições de Longa Permanência para Idosos concentram pessoas com maior perfil de fragilidade e as características de uma residência coletiva podem atuar como um agravante na propagação das infecções (BARRA et al., 2020; Lloyd-Sherlock et al., 2020; LAI et al., 2020; MACHADO et al., 2020).

De acordo com o Manifesto da Frente Nacional de Apoio as ILPIs/FN-ILPI (ACESSE AQUI), publicado em dezembro de 2020, a taxa de letalidade é muito alta entre os idosos institucionalizados, sendo que a cada 5 residentes de ILPI acometidos pela COVID-19, um falece. A FN-ILPI é um espaço democrático de estudos, pesquisas, planejamento, articulações e fomento que desenvolveu muitas ações de apoio aos gestores das ILPIs, por meio de capacitações técnicas, fóruns de discussões e reivindicação de políticas. Com o trabalho desenvolvido foi possível minimizar o impacto da pandemia nestas instituições, pois o número de óbitos entre residentes nas ILPIs no Brasil não alcançou a magnitude observada em outros países, como no Canadá, por exemplo, em que representaram 85% de todos óbitos ocorridos pela COVID-19.

Para ilustrar como foi realizado o manejo das ILPIs e o cuidado com os idosos durante a pandemia consultamos a gestora de uma instituição que nos enviou o depoimento:

“Eu destacaria algumas coisas, a primeira foi que os idosos cuidaram muito da gente também, eles estão sendo muito resilientes e sábios como a vida lhes ensinou. Muitas vezes, em situação de desespero, eles nos acalmavam, o que foi uma grande lição para perceber esse olhar de sabedoria das pessoas idosas. Também destaco que foi um desafio imenso em uma situação totalmente inusitada e inesperada, porque ninguém nunca passou por isso. Então, nós tivemos que nos reinventar com a ajuda mútua dos idosos, dos familiares, dos colaboradores, da equipe, dos parceiros e ninguém mediu esforços para que a gente conseguisse controlar o ambiente e diminuir o risco. A união foi muito importante e, logo no início da pandemia, quando ocorreu o caos a gente cogitou até mesmo o confinamento dos funcionários e todos se colocaram à disposição. Nós só podemos agradecer porque é nos momentos de crise que a gente pode contar com todos […] ainda, destaco a grande participação da família, os familiares que estavam acostumados a nunca ter horário de visita […] então as famílias tiveram uma compreensão muito especial do momento e se adaptaram aos meios virtuais, ao distanciamento, mas nunca deixaram de dar assistência, apoio e o aporte que os idosos precisam”

 (Maitê Oliveira Souza – Enfermeira, gestora da Bella Vita Residencial Geriátrico e conselheira municipal do idoso de Florianópolis)

 

E qual o seu sentimento com a chegada da vacina?

“A palavra é esperança que essa fase logo vai passar, muito agradecida, gratidão pelos idosos institucionalizados serem prioridade na vacinação e acho que isso demonstra um olhar especial para essas pessoas que estão nessas instituições de residência coletiva. É uma demonstração de que estão sendo vistos pelo poder público de uma forma especial. Então nós só temos a agradecer e o sentimento é de esperança e de muito entusiasmo, ansiedade para que chegue logo essa vacina. Estamos na expectativa que a gente receba ainda essa semana e todos os idosos já estão super ansiosos, querem tirar foto e fazer vídeo. Estamos bem felizes, mas ainda com todo o cuidado e já orientando na nossa educação continuada com todos os colaboradores que mesmo tomando a vacina continuaremos com os cuidados que a gente vem tomando. Graças a Deus não tivemos casos e estamos torcendo para que tudo isso acabe e que essa vacina possa chegar a todas as faixas etárias para que a gente possa ter uma rotina mais normal”

(Maitê Oliveira Souza – Enfermeira, gestora da Bella Vita Residencial Geriátrico e conselheira municipal do idoso de Florianópolis)

 

Segundo o último boletim epidemiológico da Diretoria de Vigilância Epidemiológica / DIVE-SC (ACESSE AQUI), atualizado em 13/01/2021, os grupos mais acometidos pela infecção da COVID-19 são a faixa etária de 30 a 39 anos seguido pelas pessoas com idades entre de 20 a 29 anos. Com isso, as duas faixas etárias são responsáveis por 46% dos casos e constituem-se os grupos que tem o maior potencial de transmissibilidade. Já ao analisar os grupos que compõem as faixas etárias mais avançadas, observa-se que o percentual de infectados é muito mais baixo, porém o percentual de óbitos e a taxa de letalidade são bastante elevados. Na faixa etária entre 80 e 89 anos os infectados representam 1,3% do total de casos, no entanto, a proporção de óbitos é de 21,1%, e uma taxa de letalidade de 18,3%. De forma similar ocorre nas faixas de idade de 70 a 79 anos e em indivíduos com mais de 90 anos, os indivíduos entre 70 e 79 apresentam a maior proporção de óbitos entre todas as faixas etárias com 27,3% (conforme gráfico). A taxa de letalidade varia conforme a idade dos infectados, e quando observados apenas os indivíduos a cima de 90 anos a letalidade no Estado é de 24,6%, ou seja, a cada 100 pessoas infectadas com idade maior de 90 anos 25 pessoas foram a óbito.

 

Fonte: Boletim Epidemiológico Nº 35 Covid-19 (DIVE-SC)

 

IMPORTÂNCIA DA VACINAÇÃO

Natalia Pasternak, PhD com pós-doutorado em Microbiologia e diretora-presidente do Instituto Questão de Ciência em entrevista ao Jornal do Almoço, do dia 19 de janeiro, tirou dúvidas da população em relação a vacina. Segundo ela, as duas vacinas que estão disponíveis foram aprovadas pela Anvisa, que é muito séria e rigorosa, o que significa que são seguras e eficazes o suficiente para o que precisamos no momento, ou seja, são capazes de reduzir casos de doenças graves, hospitalização e morte.

Ainda, relatou que a preocupação e insegurança, principalmente das pessoas mais idosas, quanto a ato de se vacinar são legítimas, mas esclarece que a vacina não provoca a doença, pois não contém organismos vivos capazes de provocar a Covid. Toda a vacina é uma formulação inativada para enganar o nosso sistema imune o fazendo reagir com a produção de anticorpos para que no momento que a pessoa tiver contato com o vírus o organismo possa se defender de forma eficaz.

A cientista confirma que só teremos o benefício da proteção coletiva quando a maioria da população estiver vacinada. Nesse sentido, os órgãos públicos precisam acolher o medo das pessoas e desenvolver boas campanhas de comunicação e esclarecimento. Confira o vídeo na íntegra

A Frente Nacional de Fortalecimento de Conselhos de Direitos da Pessoa Idosa (FFC) lançou orientações (ACESSE AQUI) para que esses importantes órgãos de controle social possam auxiliar o processo de vacinação em seus municípios: mantendo contato com a prefeitura municipal para verificar o calendário e critério de priorização da população; acompanhando a execução da vacinação no município; realizando campanha de conscientização e divulgação sobre a vacinação; fazendo contato com as Instituições de Idosos e Grupos de Idosos do município, para verificar o atendimento na vacinação e orientar no que for necessário; informando as autoridades competentes caso haja o cerceamento ou algum óbice ao atendimento do idoso para receber a vacina, além de combater as Fake News.

Fotos: Ricardo Wolffenbuttel / Secom

 

AS PRÓXIMAS ETAPAS…

  • Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Santa Catarina tem uma população estimada de 7.252.502 milhões de habitantes;
  • Recebeu 144 mil doses da CoronaVac nessa primeira remessa;
  • Irá imunizar 68 mil pessoas inicialmente;
  • A população estimada no primeiro grupo de vacinados é de 426.678 (fase 1);
  • Portanto, a primeira remessa da vacina CoronaVac cobre 15,9% do grupo prioritário na fase 1;

 

Sendo assim, estamos apenas iniciando um processo de vacinação que deve se estender durante um longo período exigindo calma e conscientização de toda a sociedade. De acordo com as informações publicizadas por diversos órgãos de imprensa, o governo estadual orienta que os catarinenses acompanhem as atualizações e aguardem seu grupo ser chamado para a vacinação pelas autoridades de saúde.

A ação acontecerá em consonância com os municípios catarinenses, que são os executores da campanha junto à população. Nesta primeira etapa, a vacina contra o Coronavírus não será feita em Centros de Saúde, mas diretamente nos locais de trabalho dos profissionais de saúde e Instituições de Longa Permanência, conforme agendamento da Secretaria Municipal de Saúde.

O Ministério da Saúde alerta sobre tentativas de golpe em que criminosos simulam o agendamento da vacina para clonar dados. A vacinação contra a covid vai ser igual às outras em que as pessoas vão aos postos de saúde ou pontos utilizados em campanhas de imunização, e lá será identificada e cadastrada na hora. Por isso, orienta as pessoas que se receberem ligações ou mensagens pelo celular, com promessa de agendamento de vacinação, e solicitando dados pessoais ou outras informações, não forneçam qualquer dado e denunciem a autoridades competentes.

Além disso, é muito importante que continuemos exercendo nossa cidadania e tomando todos os cuidados sanitários como: uso de máscara, higienização das mãos e distanciamento social até que a maior parte da população tenha recebido as duas doses da vacina. Um recado urgente vai para os jovens que fazem aglomerações, participam de festas clandestinas e agem normalmente como forma de negacionismo da doença. Eles devem se lembrar que vivem em comunidade podendo ser vetores de transmissão de uma doença que pode ter um desfecho fatal aos seus entes amados, como seus pais e avós.

Para esclarecer diversas dúvidas acesse: Folha informativa COVID-19 – Escritório da OPAS e da OMS no Brasil.

Ficamos na torcida para a chegada de novas doses da vacina e que, o mais breve possível, toda a população idosa possa estar imunizada.

 


Fontes de consulta:

Barra RP, EN Moraes EN, Jardim AA, Oliveira KK, Bonatti PCR, Issa AC. A importância da gestão correta da condição crônica na Atenção Primária à Saúde para o enfrentamento da COVID-19 em Uberlândia, Minas Gerais. APS em Revista 2020; 2(1):38-43.

Lloyd-Sherlock P, Ebrahim S, Geffen L, McKee M. Bearing the brunt of covid-19: older people in low and middle income countries. BMJ 2020; 368:m1052 [acessado 2020 Abr 30]. Disponível em: https://www.bmj.com/content/368/bmj.m1052

Lai CC, Wang JH, Ko WC, Yen MY, Lu MC, Lee CM, Hsueh PR; Society of Taiwan Long-term Care Infection Prevention and Control. COVID-19 in long-term care facilities: An upcoming threat that cannot be ignored. J Microbiol Immunol Infect 2020; 53(3):444-446.

Machado CJ et al. Estimativas de impacto da COVID-19 na mortalidade de idosos institucionalizados no Brasil. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2020, v. 25, n.9, pp.3437-3444.

https://radis.ensp.fiocruz.br/index.php/home/reportagem/uma-vacina-para-a-humanidade

https://www.sc.gov.br/noticias/temas/saude/santa-catarina-recebera-126-mil-doses-da-vacina-contra-covid-19-nesta-segunda-feira

https://www.sc.gov.br/noticias/temas/coronavirus/santa-catarina-inicia-a-vacinacao-contra-a-covid-19

https://www.sc.gov.br/noticias/temas/coronavirus/saiba-quais-serao-primeiros-grupos-a-receber-a-vacina-contra-covid-19-em-santa-catarina

https://www.saude.sc.gov.br/index.php/noticias-geral/11973-governo-do-estado-ja-iniciou-distribuicao-das-vacinas-aos-municipios-catarinenses

https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2021-01/anvisa-decide-autorizacao-emergencial-para-uso-de-vacinas

https://agenciabrasil.ebc.com.br/

https://www.sc.gov.br/noticias/temas/coronavirus/governador-carlos-moises-lanca-plano-estadual-de-vacinacao-contra-covid-19

https://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/2021/01/18/covid-19-primeira-remessa-da-vacina-cobrira-16percent-do-grupo-prioritario-em-sc.ghtml

http://g1.globo.com/sc/santa-catarina/jornal-do-almoco/videos/

https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2021/01/19/desde-o-comeco-da-pandemia-a-covid-matou-um-em-cada-mil-brasileiros.ghtml

https://covid.saude.gov.br/

http://www.dive.sc.gov.br/conteudos/boletim2020/corona34/Boletim%20Corona%20034.pdf

https://www.nsctotal.com.br/noticias/quem-sao-e-como-estao-passando-os-tres-primeiros-vacinados-contra-covid-19-em-sc

https://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/2021/01/19/vacinacao-contra-covid-em-sc-veja-perguntas-e-respostas.ghtml

https://agenciabrasil.ebc.com.br/radioagencia-nacional/geral/audio/2021-01/golpistas-simulam-agendamento-de-vacina-contra-covid-19-e-clonam-dados

https://globoplay.globo.com/v/9190894/

http://www.pmf.sc.gov.br/entidades/saude/index.php?pagina=notpagina&noti=22829

Notícias

ASSOCIADA DA ANG SC RECEBE PRÊMIO NACIONAL COM O PROJETO DE GERAÇÃO PARA GERAÇÃO

Torna-se motivo de muito orgulho para a ANG SC a notícia de que o “Projeto De Geração para Geração”, o qual tem entre as idealizadoras a nossa associada Malvina Juliane Ribeiro, recebeu destaque e premiação em âmbito nacional. Pois é uma das bandeiras de luta da Associação Nacional de Gerontologia a educação para o envelhecimento em todo o país.

O 1º Prêmio de Aprendizagem Solidária – Experiências que transformam, é uma iniciativa da Rede Brasileira de Aprendizagem Solidária (RBAS), com coordenação técnica do Centro de Estudos em  Educação, Cultura e  Ação Comunitária (CENPEC), do Instituto Singularidades, do Movimento Futuro, da Organização dos Estados Ibero-americanos para Educação, Ciência e Cultura (OEI) no Brasil e da Mori Educação e apoio do Centro Latino-Americano de Aprendizagem e Serviço Solidário (CLAYSS). Tem como objetivo Identificar, reconhecer e valorizar práticas de aprendizagem que promovam ações de solidariedade, a partir do diagnóstico e intervenção em problemas reais de comunidades e territórios.

O projeto desenvolvido na Escola Básica Municipal Tancredo de Almeida Neves em Indaial-SC tem o apoio e foi inscrito em parceria com a diretora Janaina Traerbert ficando com a terceira colocação na categoria Instituições de Educação Básica I. Esse reconhecimento demonstra como é importante que a gestão pública e os profissionais da educação estejam sensibilizados com essa pauta para a realização de iniciativas similares.

“De Geração para Geração” é um projeto social que promove troca de experiências entre crianças e idosos em escolas. Assim, por meio da convivência intergeracional ocorrem novos aprendizados e benefícios para ambas as gerações. As crianças aprendem novos valores, conhecimentos e experiências e os mais velhos sentem-se mais valorizados e aumentam a autoestima.

Para a idealizadora e coordenadora: “Ser reconhecido e ganhar um prêmio deste, não só para o projeto, mas para a escola, para a comunidade e toda a cidade de Indaial é de suma importância. É uma honra e recebemos com muita felicidade, pois estávamos concorrendo com projetos maravilhosos do Brasil todo”. Para Malvina esse reconhecimento facilita muito no processo de divulgação e inserção em outros ambientes e em outros municípios: “É importantíssimo saber que esse projeto pode ser replicado em outras escolas, pois esse é o nosso maior desejo que ele seja replicado em outras escolas”, completa.

Torna-se interessante perceber que a iniciativa mesmo neste ano de pandemia adaptou-se e manteve suas atividades de forma online e para 2021, a direção da escola pretende dar continuidade no ambiente escolar. Com a premiação, além do reconhecimento, o projeto recebeu apoio financeiro e participará de um curso formativo para potencializar e ampliar suas ações com a comunidade.

 

Fonte: Arquivo do projeto Geração para Geração

 

Entrevistas

ANG SC ENTREVISTA – MARCELO ANTÔNIO SALGADO

ENTREVISTAS – número 01 | DEZEMBRO 2020


 

MARCELO ANTÔNIO SALGADO

Homenagem a um dos Fundadores da Associação Nacional de Gerontologia

 

APRESENTAÇÃO

Olá amigos, associados e parceiros da Associação Nacional de Gerontologia de Santa Catarina – ANG SC. Estamos iniciando uma nova sessão em nosso site, a qual busca trazer entrevistas com personalidades que contribuem para a área da gerontologia. Nessa primeira edição consta a entrevista com Marcelo Antônio Salgado juntamente com a transcrição de sua palestra proferida durante o IX ENCONTRO CATARINENSE DE GERONTOLOGIA E IV SEMINÁRIO SOBRE ENVELHECIMENTO E INSTITUCIONALIZAÇÃO, realizados em 2017. Assim, em 18 de outubro de 2020, data em que a Associação Nacional de Gerontologia completa 35 anos de existência buscamos prestar uma homenagem ao seu fundador. Esperamos que continuem acompanhando o nosso site e as próximas entrevistas, que buscarão prestar novas homenagens e trazer muitos conhecimentos para nos auxiliar com seus exemplos de vida. Boa leitura!

 

 

ALGUMAS EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS…

  • Assistente Social (Universidade Católica de São Paulo);
  • Especialização em Gerontologia Social pela Fundação Nacional de Gerontologia da França;
  • Especialização em Epidemiologia pela Fundação Merrieux e Organização Mundial da Saúde/ OMS- Suíça;
  • Especialista Superior em Gerontologia Social pela Universidade de Barcelona- Espanha;
  • Coordenação do Trabalho Social Com Idosos do SESC São Paulo (por 30 anos);
  • Assessoria diversas a Ministérios, governos estaduais e municipais, na implantação e desenvolvimento de políticas e programas de atenção a idosos;
  • Assessoria a fundações de seguridade social e empresas na implantação de programas de preparação para aposentadoria (Petrobrás, Vale do Rio Doce, Acesita, CESP, Fundação Rubens Berta, etc);
  • Conferencista em congressos internacionais na Argentina, Chile, Portugal, França, Espanha, Alemanha e Áustria;
  • Orientação e formação de profissionais portugueses para o trabalho social com idosos;
  • Consultoria ao INATEL (Portugal) para organização do programa de turismo sênior;
  • Tem livros e artigos técnicos publicados no Brasil, França e Alemanha;
  • Membro fundador e presidente de honra da Associação Nacional de Gerontologia – ANG.

 

 

Recentemente a Associação Nacional de Gerontologia completou 35 anos de fundação e no ano passado, a seção estadual de Santa Catarina (ANG SC), completou seu aniversário de 30 anos. Nesse sentido, buscamos expressar gratidão às pessoas que iniciaram a caminhada…

Esse primeiro número traz um resgate histórico, prestando homenagem ao fundador Marcelo Antônio Salgado, que além de um notório currículo transparece um ser humano fantástico, simples e de enorme conhecimento. É possível perceber que por meio de uma auto reflexão sobre o seu processo de envelhecimento ele traz ensinamentos sobre a gerontologia como uma ciência extraordinária indicando caminhos para os profissionais da área. 

Segundo Marcelo, a velhice é uma construção em seus aspectos multidimensionais e o envelhecimento na sociedade brasileira é um fenômeno particular, caracterizado por uma acumulação sucessiva de desigualdades. Reflete que houve ganhos em termos de visibilidade, mas não o status de reconhecimento como grupo social. Indica que o Estatuto do Idoso, é uma Lei extraordinária, mas que a todo momento está sendo sofrendo perdas importantes. Destaca que as políticas públicas se encontram muito fragilizadas, o que se torna muito complexo e preocupante e convida cada um de nós a ser um agente de transformação.

 

ENTREVISTA

 

ANG SC: O senhor é uma referência na área do envelhecimento no país, como começou sua trajetória e interesse pela gerontologia?

Meu interesse pela gerontologia ocorreu ao descobrir que, no Brasil, a questão da velhice não era objeto de ações sociais, nem de políticas públicas, voltadas a diminuir as graves dificuldades que enfrentavam os idosos. A exceção das instituições asilares não havia, naquela época, nenhum tipo de programa ou serviço voltado a atender a população idosa, que já vivenciavam a situação de pobreza, isolamento social e formas diversas de violência e preconceitos.

A convivência diuturna com idosos na coordenação no trabalho do SESC São Paulo e a participação em movimentos sociais diversos, aumentaram meu conhecimento sobre a gravidade da questão social da velhice e precariedade de serviços nesse setor.

Quando da criação do Ministério da Previdência e Assistência Social no ano de 1974 tive oportunidade de coordenar a elaboração da primeira proposta de Política Social Para Idosos (1976), sendo um dos marcos iniciais da gerontologia social em nosso país.

 

ANG SC: O que motivou a fundação da ANG SC? Durante a sua trajetória, a associação atuou em diversas ações e participou ativamente da construção de políticas importantes na área do envelhecimento no estado e no país. Por favor, tente fazer um breve resgate histórico da ANG SC.

A ANG Brasil (na época denominada apenas de ANG) foi discutida primeiramente em São Paulo, em minha casa, numa reunião de um pequeno grupo de profissionais, preocupados com a inexistência de uma organização de defesa dos direitos dos idosos e estudos na área da gerontologia social. Alguns meses mais tarde, essas mesmas pessoas, reunidas em Florianópolis, criaram a ANG. Eram elas: Edith Magalhães Mota, Marcelo Antônio Salgado, Maria José Lima de Carvalho Rocha Barroso, Neuza Mendes Guedes e Sulinete Suriano.

Assim, o berço da ANG foi a cidade de Florianópolis no Estado de Santa Catarina, que já contava com um histórico considerável de realizações no estudo da gerontologia social e atividades para idosos, fruto da ação de inúmeras instituições e órgãos públicos, com especial destaque para o NETI, da Universidade Federal de Santa Catarina. Era natural que a ANG Santa Catarina viesse a acontecer.

Sendo uma das mais antigas regionais, tem sido uma das mais expressivas ANGs, com inúmeras realizações no âmbito estadual, promovendo o estudo e reflexão sobre importantes questões ligadas ao envelhecimento, propondo políticas e ações, servindo de modelo para ANGs de outros estados.

 

Na foto (da esquerda à direita) Marcelo Antônio Salgado, Rogéria Goedert Kremer Bruhl, Marília Celina Felício Fragoso, Maria Fatima Souza Nascimento, Maria Cecilia Antônia Godtsfriedt, Albertina Terezinha de Souza Vieira em Reunião da Associação Nacional de Gerontologia.

 

ANG SC: Desde que você começou a sua atuação até hoje, quais as principais mudanças que percebe na área da gerontologia?

Quando iniciei meu trabalho com idosos não havia nenhum estudo brasileiro que pudesse ser considerado como referência. Nada escrito sobre a velhice, apenas pequenas referências a questões da saúde do idoso e as instituições asilares. Busquei apoio em publicações técnicas de outros países, notadamente França, Espanha e Estados Unidos, e me correspondia regularmente com instituições e órgãos públicos dessas nações.

Hoje são muitos os estudos produzidos sobre a velhice no Brasil constituindo uma referência teórica significativa. A gerontologia ganhou espaço nas universidades sendo um campo de especialização.

O envelhecimento da sociedade brasileira não era considerado como um fato eminente e as questões sociais da velhice não constituíam área de atenção das políticas públicas. Hoje a questão da velhice ganhou grande visibilidade. Os idosos são reconhecidos como um grupo etário sujeito a necessidades que implicam ações particulares que proporcionem melhor qualidade de vida.

 

ANG SC: Quais as suas perspectivas em relação ao futuro dos idosos brasileiros e para a área da gerontologia em termos de políticas públicas? O que é primordial ser realizado?

Entretanto, o reconhecimento como grupo etário não é o reconhecimento como grupo social, visto não usufruírem de alguns direitos elementares de cidadania, como renda digna, assistência médica adequada, segurança, e muitas outras condições que promovem a qualidade de vida. Mesmo reconhecendo a existência e qualidade de muitas atividades e serviços mantidos em alguns municípios de diferentes regiões do País, no que diz respeito à política social para velhice, esta cresceu no discurso, mas estancou na prática. Em alguns casos, recuou, sobretudo quando se trata de questões referentes à pobreza econômica e seguridade social. Reconhecer direitos não basta, pois é necessário proporcioná-los.

O futuro é preocupante, especialmente em tempos de crise econômica. O achatamento da renda das aposentadorias e pensões previdenciárias, o precário atendimento à saúde, as agressões e violência, faz o tempo da velhice um tempo de pobreza, constrangimento e isolamento social. O envelhecimento não pode significar a morte social, resultando que muitos idosos se apresentem como um corpo estranho de indivíduos em nossa sociedade.

 

PALESTRA

“REFLEXÕES SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA OS IDOSOS NO BRASIL”

O texto abaixo caracteriza-se pela transcrição da fala de Marcelo Antônio Salgado, realizada por Vera Nicia Fortkamp de Araujo, a partir da gravação da palestra proferida no IX Encontro Catarinense de Gerontologia e IV Seminário sobre Envelhecimento e Institucionalização da ANG SC ocorridos nos dias 9 e 10 de novembro de 2017, no Auditório da CELESC em Florianópolis.

 

Interessante como eu pensei a minha velhice. Não me preocupava: primeiro porque eu achava que da velhice eu tudo sabia, e com a velhice eu tudo podia.

Quero lhes confessar que foi um grande engano, porque o meu envelhecimento tem significado cotidianamente, uma grande lição de humildade.

Eu pouco sei da velhice. Pouco posso com a velhice, muito embora, reconheça algumas experiências extraordinárias.

A primeira delas é a liberdade.

Não que seja livre por ter mais idade que os demais, mas a maturidade da idade, me concedeu, a plenitude sobre os meus próprios direitos.

Hoje eu tenho autoridade para dizer o que quero e não quero, faço ou não faço, gosto ou não gosto.

Ultimamente é interessante, que sendo muito preocupado com o envelhecimento, com as transformações, e com os cuidados lia muito: li, por exemplo, que fumar faz muito mal à saúde. Deixei de fumar.

Li que a alimentação gordurosa é muito calórica e prejudicial à saúde. Deixei de comer as coisas gostosas.

Li também que a vida estressante era prejudicial ao envelhecimento. Tenho tentado ter uma vida mais calma, mais contida, mais regrada.

Aí eu li, que amor e sexo na velhice, era perigoso. Deixei de ler.

Observo que a gerontologia é uma ciência extraordinária, talvez a mais ambiciosa das ciências, porque não se pode estudar a velhice sem que se estude as etapas anteriores do ciclo de vida. Estudo do próprio desenvolvimento.

O bom profissional em gerontologia, seja de área que for, é aquele que busca, para compreender a velhice, conhecer, as etapas anteriores do ciclo de vida daquele cidadão ou do grupo de pessoas que está atendendo.

Interessante, é que, não é aos sessenta, setenta ou oitenta anos de idade que poderemos corrigir as coisas.

Tudo tem que começar mais cedo. Na realidade, a velhice, é um somatório de experiências anteriores do ciclo de vida.

Se as experiências anteriores foram boas, a velhice, certamente terá possibilidades de ser mais bem sucedida.

Se as experiências foram ruins, muito pouco, vai poder fazer para restabelecer a qualidade de vida.

A velhice é um fato multidimensional. Isto significa que a velhice é física, a velhice é social, e a velhice é psicoemocional, ou seja, existencial.

Somente a velhice física é universal: todos que sobrevivem envelhecem, todos que envelhecem enfraquecem, todos que enfraquecem adoecem, todos que adoecem morrem.

Essa é a lei.

Agora, sobre o ponto de vista social e sob o ponto de vista existencial, a velhice muito depende da sociedade, e a cultura coletiva encara a estabelece os procedimentos com relação a seus velhos.

Se a ideia é de que o velho é um patrimônio, tudo vai ser feito para preservá-lo. Mas, se a ideia da sociedade é de que o velho é um fraco, um estorvo, nada vai ser feito.

E esse talvez seja uma das maiores questões que nós enfrentamos na sociedade brasileira. Muito embora o discurso humanitário, fale em igualdade entre todos, fale em direitos, que fala em conceder benefícios, na realidade isso não se aplica ao velho. O velho está sempre a margem das políticas sociais como um cidadão de segunda categoria.

Aliás, é interessante que até na educação comum das crianças, é uma forma corriqueira, os pais dizerem aos seus filhos: respeitem o vovô, respeitem a vovozinha, porque coitadinhos, eles já estão velhinhos. Quando usamos o termo coitadinho, já se está inferiorizando. A pena é o pior sentimento que se pode ter por um ser humano que renega a sua dignidade.

No Brasil, nós temos o fenômeno da marginalização, atualmente, chamada de exclusão social. Marginalização social foi o primeiro termo usado, na política social de maneira geral, por volta do século XIX, quando as sociedades foram acometidas da crise gerada pela Revolução Industrial. São considerados socialmente marginalizados todos aqueles que têm dificuldade de acesso aos bens e serviços de uma sociedade, sobretudo, ao trabalho, a educação, a proteção social e as condições mínimas de subsistência.

O termo exclusão social é um termo mais recente e mais atual de política social, e tenta analisar a condição diferente de vida de cada cidadão pela proximidade ou pelo afastamento dos padrões dos mínimos de integração social. Então, quanto mais distante ele está menos ele está incluído.

O envelhecimento na sociedade brasileira é um fenômeno particular, caracterizado por uma acumulação sucessiva de desigualdades, e que se agravam na época da velhice.

O que acontece é que ao longo de todo o ciclo de vida, boa parte da população do Brasil acumula déficits na educação, na saúde, na formação profissional, na cultura etc…com prejuízos na estruturação da personalidade e da própria satisfação interior.

As pessoas ingressam na velhice, em condições precárias.

O segmento etário idoso talvez tenha sido o segmento da população que mais dificuldade teve para ser incorporado dentro das ações de políticas públicas sociais.

Só a partir da criação do Ministério da Previdência Social e o da Assistência Social, é que se começou a falar neste grupo etário, pois até então, era como se ele não existisse.

É verdade, e eu não posso deixar de reconhecer, a quantidade de programas de serviços e de ações que existem no âmbito de muitos municípios, em diversos estados, mas isso não é um fato universal.

Por outro lado, trabalhamos muito na reeducação do idoso e no fortalecimento de movimentos integrados por pessoas idosas. Mas, nós esquecemos de exigir da sociedade uma resposta de como ela quer o seu velho.

Então, a postura das pessoas idosas com relação à velhice, mudou. O velho, hoje sai às ruas, o velho busca participar de atividades culturais, de programas de lazer etc.

O resultado de tudo isto é que o velho ganhou visibilidade, e no ganho da visibilidade eu considero que ele ganhou o reconhecimento como grupo etário. Mas não ganhou o status de reconhecimento como grupo social. Porque, o que configura verdadeiramente o grupo social é o suprimento das suas necessidades (pelos menos as principais), e que são os direitos básicos de cidadania. Infelizmente, com alguns avanços na Política do Idoso que temos tido, ainda não atingimos essa concretização.

Por outro lado, a política com relação à velhice no Brasil é feita de avanços e retrocessos. São cinquenta anos desde que eu comecei, é muito tempo. Foi um tempo extraordinário para a promulgação da Lei Nº 8842, a Lei do Idoso.

Na época, em um seminário internacional que aconteceu em Brasília, a observação feita por diversos membros das delegações estrangeiras, foi a que era uma das leis mais completas de atenção ao idoso. Aliás, ela foi construída, a partir de muita reflexão, de muito estudo e observação da realidade. Até hoje, não foi regulamentada.

Depois, veio o Estatuto do Idoso, esta Lei extraordinária, mas que a todo momento, está sofrendo perdas importantes. Não podemos ter segurança de dizer que temos uma legislação de proteção eficiente, não, porque ela é absolutamente frágil.

Nós tivemos um senador muito importante, chamado Nelson Carneiro. Foi ele quem durante mais de vinte anos lutou pela causa do divórcio, e se hoje o divórcio é uma realidade no Brasil se deve ao trabalho desse senador. Depois que ele conquistou a Lei do Divórcio, ele resolveu a se dedicar a questão da velhice. Pouco mais de um ano depois ele anunciou que estava renunciando aquela causa. Primeiro, disse que havia se dedicado há mais de vinte anos pela causa do divórcio, e como já completara oitenta anos, não iria ter mais vinte anos para essa nova causa.

Por outro lado, declarou ele, a causa do divórcio foi vitoriosa, porque tinha opositores. Quanto mais pessoas e grupos se opunham, mais a questão era discutida, mais a questão ganhava abrangência e notoriedade. Diferente da causa do divórcio, a causa da velhice não tem opositores. Todos concordam que é um causa justa, mas não fazem nada a seu favor.

Para concluir afirmo que na política social não basta reconhecer direitos, temos que conceder os direitos. A política só se concretiza quando os direitos são acessíveis a todos que deles possam se beneficiar.

Bem, devido ao avançado do tempo, pois certamente haverá algumas perguntas, eu queria apenas fazer mais algumas observações.

A primeira é que nós temos que ser absolutamente conscientes, da fragilidade das políticas. Não quer dizer que eu não reconheça que tenhamos avançado. Avançamos, mas ainda estamos muito longe de chegar não ao bom, mas ao razoável. Em tempos de crise econômica isso se torna muito complexo, se torna muito preocupante. Portanto, cada um de nós independentemente do trabalho particular que realiza, tem que ser um agente dessa transformação, tem que ser um agente no encaminhamento dessa discussão e tem que ser um agente articulador de elementos para estabelecer sobretudo, à crítica à sociedade.

Temos um ditado muito comum na sociedade brasileira, “se correr o bicho pega, se ficar o bicho come”, mas vamos acrescentar “se nos juntarmos o bicho foge”.

 

Na foto (esquerda para direita) Maria Joana Zucco, Marcelo Antônio Salgado, Marília Celina Felício Fragoso, Bahij Amin Aur e Tereza Rosa Lins Vieira durante atividades do IX Encontro Catarinense de Gerontologia.

 

Na foto (em destaque) Marcelo Antônio Salgado e Vera Nicia Fortkamp de Araujo em debate durante o IX Encontro Catarinense de Gerontologia

 

DEPOIMENTOS

Depoimentos colhidos de pessoas presentes no evento e que conhecem Marcelo Salgado já de longa data e assim quiseram lhe prestar uma homenagem…

 

“Foi possível desfrutar do convívio mesmo que rápido, na companhia de Marcelo Salgado nestes dias do nosso evento, absorvendo cada frase pronunciada plena de experiência e sabedoria num tom de voz suave e pausada, e com aquele brilho de satisfação emitidos por seus olhos azuis e os cabelos brancos que emoldura sua cabeça. Marcelo sempre foi ousado para o seu tempo, e com esta ousadia foi longe sendo o criador e fomentador da Política Nacional do Idoso em nosso país bem como do Benefício de Prestação Continuada-BPC. Suas contribuições na área do envelhecimento humano ultrapassam o Brasil, percorrendo vários países da Europa, obtendo condecorações como por parte do governo da França. Na ocasião, brasileiros da área gerontológica de renome, mais próximos que foram prestigiá-lo a saber: Maria José Barroso, Neusa Mendes Guedes, Ubiratã O., Dirceu Nogueira Magalhães, Nara Costa Rodrigues, como também Paul Paillat, Claudine Daufut e sua estimada e saudosa mãe a senhora Florinda Salgado entre outros. Conversar com Marcelo Salgado é mergulhar na experiência da sua vivência na área social no que diz respeito às Leis que prescrevem os direitos da pessoa idosa em nosso País. Na sua fala é possível identificarmos muitos valores que passamos a dar com o passar do tempo, como priorizar a liberdade de escolhas daquilo que realmente nos traz prazer e tranquilidade na vida. Marcelo Salgado podemos dizer com propriedade e convicção, você é um marco e grande parceiro na nossa trajetória da ANG Brasil e ANG SC, sempre prestimoso em participar de nossos eventos, de persistir na defesa e efetivação das políticas sociais e púbicas para a pessoa idosa para que todos vivam com dignidade. Por tudo isso, receba a nossa profunda gratidão acompanhada de nossa admiração, reconhecimento e de nosso carinho e afeto”.

(Vera Nicia Fortkamp de Araujo – Vice Diretor Técnico Científico ANG SC)

 

“Para pensar no estudo do envelhecimento e das Políticas Públicas para pessoas idosas é principal termos por base a contribuição do nosso amigo Marcelo Salgado”.

(Edléia Schmidt – Ex-Presidente do Conselho Estadual do Idoso representando a CELESC)

 

“Marcelo Salgado grande pilar da Gerontologia no Brasil, pela sua dedicação e entrega pela causa. Não podemos apagar da nossa memória o grande guardião de toda a nossa história gerontológica”.

(Maria Cecília Godtsfieldt – NETI/UFSC)

 

“Para mim é uma grande honra falar sobre o trabalho de uma pessoa que implantou o legado que se tem hoje, e sempre do que é a atuação para o envelhecimento no SESC Santa Catarina e Brasil. Estou tomada de emoção neste momento pois recordo que em 1998 quando iniciei meu estágio do curso de Serviço Social no SESC, me foi apresentado, pela Assistente Social Selma Junkes, o que se tinha de referência na área, ao que me contou quem era Marcelo Salgado. Passei a ler tudo o que ele escrevia, e me encantei com cada linha. Vieram eventos, nos quais foi possível conhecê-lo pessoalmente e confirmar minha admiração, inspiração e fascínio pela área da gerontologia. Por isso, sem dúvidas afirmo que este nobre homem é percursor do que se tem de mais valioso atualmente no SESC e na sociedade que é o respeito ao cidadão que envelhece. Gratidão Marcelo, muita longevidade e felicidade”.

(Arlei Souza Borges – Técnica de Grupos SESC – Prainha/Florianópolis)

 

“Com 17 anos iniciou trabalho voluntário; em 1970 ingressou no SESC São Paulo e inicia a prática de trabalho social com o idoso; 1971 participa do 1º trabalho de Ação Voluntária para Idosos com a Organização de Movimento Pró Idoso de São Paulo SESC/INPS/LBA, Secretaria de Promoção Social e Prefeitura Municipal; com a criação do Ministério da Previdência organiza a primeira Política de Atendimento ao Idoso; em 18 de outubro de 1985 integra a equipe que cria a Associação Nacional de Gerontologia em Florianópolis, Santa Catarina; é referência nacional na conquista e defesa dos direitos da Pessoa Idosa e atualmente é Presidente de Honra da ANG”

(Marília Celina Felício Fragoso – Precursora e Presidente da ANG e da seção de SC em várias gestões)

 

BAIXAR ARQUIVO PDF

 

Artigos de Associados

ASPECTO FINANCEIRO E PATRIMONIAL NO ENVELHECIMENTO COM DIGNIDADE

Maria Joana Barni Zucco

A longevidade só é benéfica se agregar qualidade e bem-estar aos anos adicionais de vida. Os idosos querem viver, não apenas durar. Envelhecer é, pois, ao mesmo tempo, um ganho e um desafio.

A população brasileira está vivendo, em geral, muito mais (não obstante a atual pandemia ceifando vidas antecipadamente). Essa longevidade nos obriga a repensar e a aprimorar a trajetória de nossas vidas, a organização familiar e social, o efetivo exercício da cidadania, o autoconhecimento. É preciso refletir sobre valores e preconceitos e sobre nossa capacidade de readaptação aos novos papéis sociais com os quais seremos “presenteados” ao envelhecer.

Do ponto de vista financeiro e patrimonial, convém lembrar que, segundo a lei brasileira, não há herança de pessoa viva.

Muitos idosos antecipam a partilha de seus bens, influenciados pelas demandas familiares ou pensando em garantir que algum filho assuma a responsabilidade financeira de sua vida, mais adiante. Se não for muito bem discutida e aceita por todos os membros da família, tal decisão, com frequência, resulta em desentendimentos, amarguras e, não raro, o abandono afetivo daqueles familiares que se consideraram prejudicados com tais medidas.

Da mesma forma, as pessoas idosas não podem esquecer que, enquanto no pleno domínio de suas faculdades mentais, são livres para dispor de seus bens e finanças. Seja o pequeno (ou grande) investimento financeiro/patrimonial amealhado ao longo da vida, seja apenas os valores de uma aposentadoria ou pensão, isso lhe pertence e deve ser usado para seu conforto e bem-estar. O idoso não tem obrigação de sustentar sua descendência e, muito menos, se deixar explorar financeiramente por ela.

É preciso ter coragem para quebrar certas resistências históricas e tomar medidas que podem significar, ao mesmo tempo, conforto, dignidade e bem-estar!

Cada caso é um caso, e deve ser analisado criteriosa e antecipadamente, enquanto em pleno uso de consciência e autonomia.  Dessa forma, cada ser humano torna-se protagonista de seu envelhecimento.

E para a parte da população que não conseguir angariar capital financeiro/patrimonial para garantir uma velhice confortável, lembremos que nossa carta magna dispõe que os filhos maiores têm o dever de ajudar e amparar os pais na velhice, carência ou enfermidade. E que, além da família, a sociedade e o Estado têm o dever de amparar as pessoas idosas, assegurando sua participação na comunidade, defendendo sua dignidade e bem-estar e garantindo-lhes o direito à vida.

Esperemos, pois, que os gestores públicos implementem políticas sociais mais intensas, capazes de garantir o nível de dignidade previsto nas leis pátrias aos envelhecidos que não tenham condições próprias de garantir envelhecimento com dignidade.

Imagem de Alexas_Fotos por Pixabay


 

Sobre a autora:

Maria Joana Barni Zucco

Advogada (30.863 OAB-SC)

Estudiosa do Direito do Idoso

Associada da ANG SC

E-mail: [email protected]

 

BAIXAR ARQUIVO PDF

Notícias

CARTA ABERTA AOS CANDIDATOS(AS) A PREFEITOS(AS) E VEREADORES(AS)

MAIS DE UM MILHÃO DE IDOSOS VIVEM EM SANTA CATARINA![1]

 

Muito embora o Coronavírus tenha “roubado a cena” neste ano de 2020, não podemos subestimar o momento político importante que se aproxima: as eleições municipais.

E, se nas últimas décadas, estudiosos da área do envelhecimento e profissionais que atuam nas políticas públicas, de todo o país já vinham chamando a atenção para o acelerado crescimento da população idosa e da consequente falta de políticas públicas adequadas a esta nova realidade populacional, a atual Pandemia “escancarou” essa questão: as pessoas estão vivendo muito mais, contudo poucas têm à disposição serviços públicos que possam lhes garantir qualidade de vida digna. Com o envelhecimento, as pessoas, em algum momento, acabam por apresentar alguma fragilidade biopsicossocial, o que exige da sociedade em geral, mas especialmente dos poderes constituídos, instrumentos de cuidado integral.

É no Município que o idoso vive. Assim, o poder público municipal deve ser o primeiro e o mais próximo garantidor dos direitos da pessoa idosa. É nos gestores municipais que deságuam suas necessidades, demandando soluções por meio de políticas públicas integradas e adequadas àquele território, mesmo que as referidas competências sejam atribuídas de igual forma às demais instâncias: União e Estado.

Diante disso, a Associação Nacional de Gerontologia do Estado de Santa Catarina – ANG SC[2], que tem como um de seus objetivos assessorar e articular com diferentes órgãos do governo estadual e municipais programas dirigidos à pessoa idosa e que envolvam políticas de direitos (em especial, saúde, assistência social, segurança, emprego, salário, moradia, educação, cultura, esporte, lazer, etnia, comunicação, participação política), dirige-se a V.Sa. para propor que seu programa de governo integre questões importantes para ELEITORES dessa faixa etária, tais como:

  • Criação do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa – CMDPI (onde ainda não existir) e garantia de seu funcionamento como órgão deliberativo, paritário e independente, nos termos da Lei, respeitando suas competências e envolvendo-o ativamente no planejamento das políticas públicas de atendimento aos idosos.

 

  • Criação do Fundo Municipal do Idoso – FMI, gerido pelo respectivo CMDPI, nos termos da Lei, para captação de recursos e financiamento de projetos especiais – além daqueles que competem ao Município – em benefício da população idosa.

 

  • Garantia de inclusão, de programas de atendimento à população idosa no planejamento, e respectivo orçamento, de TODAS as pastas municipais.

 

  • Prestação de serviços de abrigamento de idosos vulneráveis, como a garantia de Instituições de Longa Permanência – ILPIs (onde a demanda justificar), Casas Lares e/ou Serviço de Famílias Acolhedoras. Destacamos que as ILPIs, podem ser regionais, as quais através de Termo de Colaboração atendem os Municípios, garantindo a convivência familiar e comunitária.

 

  • Implantação de Centros-dia, para aquele idoso que possui vínculo com a família, no entanto precisa de cuidados nos momentos em que a família está no trabalho; centros de convivência, para idosos que possuem autonomia nas atividades diárias, para fortalecer vínculos familiares e comunitários.

 

  • Criação de programas continuados de condicionamento físico, esporte, lazer e cultura.

 

  • Proposição de uma “Política de Educação e Envelhecimento” que compreenda a inclusão em disciplinas dos currículos do Ensino Fundamental da temática “Educação para o Envelhecimento” e a criação de cursos em geral para as pessoas já idosas, adequados às necessidades locais (letramento básico, ensino fundamental complementar e outros), com destaque especial às tecnologias de informática (celular e internet), hoje indispensáveis ao pleno exercício da cidadania das pessoas idosas.

 

  • Organização dos serviços do SUS de forma a garantir o acesso integral e prioritário aos idosos, bem como o atendimento domiciliar, sempre que necessário.

 

  • Elaboração de projetos especiais para captação de recursos governamentais e/ou privados, bem como o estabelecimento de parcerias público/privadas para garantir o fornecimento de medicamentos, fraldas geriátricas, órteses e próteses, naqueles momentos em que os recursos do SUS sejam insuficientes.

 

  • Projetos diversos (de arquitetura, ruas, praças, calçadas, banheiros públicos limpos e gratuitos, transporte público e mobilidade em geral) para tornar a cidade mais acessível e amigável aos idosos, o que contribui para sua independência, autoestima e dignidade.

 

  • Compromisso com as deliberações da última Conferência Municipal e/ou Regional dos Direitos da Pessoa Idosa, incluindo-as no plano de governo, e garantia do financiamento das Conferências seguintes, nas datas oportunas.

 

Nossa intenção, neste momento, foi apenas apontar, em linhas gerais, possíveis necessidades comuns aos idosos dos municípios catarinenses, as quais sugerimos incluir em suas propostas de campanha. Contudo, após sua eleição, colocamo-nos à disposição para auxiliar na construção de uma Política Municipal Integrada de Garantia dos Direitos das Pessoas Idosas, para seu Município.

 

Atenciosamente,

Associação Nacional de Gerontologia de Santa Catarina – ANG SC

 


[1]http://apps.tresc.jus.br/site/fileadmin/arquivos/eleicoes/estatistica_eleitoral/estat_offline/PerfilEleitor/ResumoFE/PerfilResumoFE010820.htm

[2]  CNPJ/MF sob o número 07.793.560/0001-90 – entidade civil, de fins não econômicos, com personalidade jurídica de direito privado e objetivos de natureza técnico-científica, com ação em todo o Estado de Santa Catarina,  e que  tem por finalidade contribuir para a melhoria das condições de vida da população idosa catarinense.

Artigos de Associados

Covid-19, a Economia e a Morte de Idosos

Maria Joana Zucco

 

Li, recentemente um interessante trabalho de ANA AMÉLIA CAMARANO (IPEA), intitulado “Os dependentes da renda dos idosos e o coronavírus: órfãos ou novos pobres?” (CAMARANO, 2020).

Segundo a pesquisadora, 73,8% das mortes registradas por Covid-19, no Brasil, até 1o de julho de 2020, ocorreram com indivíduos de 60 anos ou mais – idosos, portanto. Na sequência, Camarano demonstra estatisticamente o impacto que tais mortes criarão na renda de uma grande proporção das famílias brasileiras, o que desmistifica a visão tradicional do idoso dependente, do idoso como peso familiar e social. Pelo contrário, a pesquisa mostra a importância da renda do idoso para as famílias, e em que escala o idoso ainda é o maior provedor da economia familiar, seja pelo que recebe como aposentadoria e/ou pensão, seja como renda de seu trabalho.

O trabalho é interessante e merece uma leitura cuidadosa.

Concordo inteiramente com a questão retratada pela pesquisadora. Mas gostaria de apontar um outro viés dessa mesma questão. Alguns membros do governo, por sua inercia diante do problema, parecem pensar que as mortes dos idosos representarão um lucro para a Previdência… Contudo, esquecem que este lucro se reverte em empobrecimento das famílias, o que demandará mais recursos em políticas sociais… E do ponto de vista do “bolso” do governo (economicamente), acaba tudo no mesmo. Porém, sob a ótica política (ou politiqueira) sabemos que, quando dependente da Assistência Social, a população se torna muito mais vulnerável e à mercê do governo. Talvez isso seja interessante para quem quer ganhar eleições.

Outro ponto a ser considerado vai além do aspecto econômico. Trata-se do retrocesso ao avanço científico, tecnológico, humano e social do país e do mundo.

Durante as últimas décadas, falamos muito no aumento da longevidade humana: como um ganho e como um desafio. É inquestionável que nós, brasileiros adultos de 2020, teríamos, em tese, uns 30 anos de expectativa de vida a mais que nossos avós! O mundo lutou muito contra a mortalidade infantil, cientistas trabalharam diuturnamente e avançaram sobretudo na medicina, em muitas outras áreas e na tecnologia de comunicação desses novos conhecimentos, o que, direta ou transversalmente, propiciou atingir esta longevidade. Governos mais democráticos e a implementação de políticas públicas sociais, que permitiram melhores condições de vida aos mais vulneráveis, também, em muito colaboraram.

Mas veio a Pandemia e com ela, pelo menos para aproximadamente 78 mil idosos brasileiros (até hoje), esta longevidade foi encolhida em 5, 10 ou até 30 anos… (“O que são 78 mil pessoas numa população de 215 milhões?” pensarão logo alguns…).

São 78.000 vidas abortadas, com seus planos, seus sonhos, seus amores, suas famílias… São 78 mil vidas, dentre as quais poderia ser a sua, a minha, a de seu pai, sua mãe, sua irmã, ou a de outras tantas pessoas que você ama. Os números deixam de ser frios quando assumem rostos, histórias.

E nas situações de escassez de recursos de saúde – humanos e materiais –, a morte dos idosos é uma realidade ainda maior, por serem mais vulneráveis e requererem cuidados nem sempre disponíveis. Uma tragédia anunciada, um verdadeiro genocídio!

Se cada brasileiro não assumir, com responsabilidade, o compromisso com a precaução e a prevenção, continuaremos tendo muitos óbitos, 73% dos quais seremos nós, as pessoas idosas.

              Fonte imagem: Freepik.com

Referências bibliográficas:

CAMARANO, A. A. Os Dependentes da Renda dos Idosos E o Coronavírus: Órfãos ou Novos Pobres? Nota Técnica n° 81 IPEA, 2020. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/nota_tecnica/200724_nt_disoc_n_81_web.pdf . Acesso em 11/08/2020.


Sobre a autora:

Maria Joana Zucco

Advogada (30.863 OAB-SC)

Associada da ANG SC e conselheira (pela ANG SC) do Conselho Municipal do Idoso de Florianópolis.

E-mail: [email protected]

 

BAIXAR ARQUIVO PDF

Artigos de Associados

A Interface da saúde bucal e saúde sistêmica dos idosos

A Interface da saúde bucal e saúde sistêmica dos idosos

Inessa Solek Teixeira

Diante da saúde frágil dos idosos é importante que a saúde bucal esteja em dia. Uma saúde bucal deficiente, nesta faixa etária, pode ser vista como uma diminuição da função mastigatória resultante de dentes cariados, de doença periodontal (dentes amolecidos), de próteses inadequadas ou ausência delas, higiene bucal negligente, presença de lesões bucais, dor, inflamação ou infecções.
Uma cárie pode se tornar uma porta de entrada de bactérias para a corrente sanguínea. Quando uma cárie torna-se mais profunda a ponto de comprometer a polpa do dente, ou seja, a parte interna do dente onde se encontram os vasos e nervos, as bactérias ali instaladas poderão percorrer a corrente sanguínea e acarretar danos a vários órgãos do corpo.
As Bactérias que percorrerem a corrente sanguínea e forem para o coração podem causar endocardite bacteriana, ao se dirigirem para o cérebro podem causar meningite, para o pulmão, pneumonia, para o rim, infecção urinária, sendo que as bactérias oriundas da boca podem provocar problemas articulares quando se alojarem nas articulações. Estudos comprovam que tais situações se verificam mais facilmente em pacientes com imunidade baixa, principalmente os idosos.
Ainda, o tártaro, que nada mais é do que a placa bacteriana calcificada, resultante do resto de alimento que se depositou no dente devido a má escovação. Quando o tártaro se forma, provoca inflamação na gengiva deixando-a inchada e sangrando. Devido a proximidade do tártaro à corrente sanguínea, as bactérias podem facilmente percorrer o corpo e se depositar em algum órgão, provocando desta forma infecções sistêmicas.
Com isso, sempre que um paciente trata uma infecção urinária com antibiótico e não remove as infecções da boca, que pode ser o foco inicial, ele está sujeito a ter infecções urinárias recorrentes, pois o tártaro é um depósito de bactérias escondidas onde o antibiótico não tem acesso.
Muitos idosos, com a diminuição da sua capacidade funcional resultante de déficits neurológicos e motores apresentam dificuldades de realizar uma higiene bucal adequada. Nesses casos, torna-se importante que os familiares e cuidadores supram essa necessidade, auxiliando os idosos na escovação dentária ou limpeza das próteses, evitando o acúmulo de restos de alimentos na boca. Pois, esse acúmulo de alimento poderá desencadear várias complicações que afetarão não só a boca, mas a saúde geral do idoso.

Sendo assim, uma saúde bucal satisfatória é essencial para uma nutrição variada, a qual possibilitará a manutenção da saúde geral e de uma melhor qualidade de vida, para uma autoestima positiva e uma vida social saudável.
A saúde começa pela boca e não deve ser negligenciada em nenhuma fase da vida!

 

Fonte: http://salomaochris.blogspot.com.br/2012/04/saude-bucal-x-saude-sistemica.html

 

Referências bibliográficas:
CARVALHO, I. M. M. Avaliação Sócio Odontológica de 300 pessoas idosas. 2000.190f.Tese de doutorado. Faculdade de São Paulo, Bauru, SP.
DIAS, L.Z.S.; Doença periodontal como fator de risco para doença cardiovascular. Rio de Janeiro; s.n; 2002. Disponível em: http://ufpe.br.
MOJON, P. Oral health and respiratory infection. Canadian Dental Association, Canadá, v.68, n.6, p 340-345, 2002.
SCANNAPIECO, F.A.; HO, A.W. Potential Associations between chronic respiratory disease and periodontal disease: analysis of national health and nutrition examination survey III. Journal of Periodontology, Estados Unidos, v. 72, n.1, p. 50-56, Jan. 2001.


Sobre a autora:
Inessa Solek Teixeira
Cirurgiã Dentista – CRO-SC: 5499 Pós-graduada em Odontologia para Pacientes com Necessidades Especiais. Dentista em Casas Geriátricas da Grande Florianópolis. Protesista do Centro de Especialidades Odontológicas da Prefeitura Municipal de Tijucas-SC. Associada da ANG SC. E-mail: [email protected]

Baixar Artigo em PDF

Artigos de Associados

 Enfrentamento da Violência Contra Idosos

Maria Joana Barni Zucco

O Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa (15 de junho) foi instituído pela ONU, em 2006, com o objetivo de discutir publicamente este tema, como forma de prevenção e de enfrentamento desse mal social.

Qualquer ação ou omissão que fere o bem-estar físico e emocional da pessoa idosa, não importa se praticada uma ou muitas vezes, em lugar público ou privado, é uma forma de violência, uma agressão aos direitos do idoso e, portanto, passível de configurar um crime.

Cumpre lembrar que o Estatuto do Idoso não apenas “regula os direitos especiais das pessoas com idade igual ou superior a 60 anos”; ele define ações e omissões e as considera crimes de ação penal pública incondicionada. Ou seja: o titular de uma ação judicial de violência contra idoso é o próprio Estado, no seu papel de tutelar interesses sociais e manter a ordem pública. Mesmo que a vítima perdoe seu agressor ou não queira que a agressão seja denunciada, uma vez conhecida pelo Ministério Público, ela deve considerada.

Lamentavelmente, são muitas as formas de violência contra idosos. A negligência é a campeã, mas há diversos outros tipos de agressões, como a violência física, sexual, abuso financeiro e patrimonial, o abandono, a discriminação social… E, obviamente, em todas as suas modalidades, ocorre também a violência psicológica, pois, qualquer que seja a violência contra o idoso, é agredido também o seu estado emocional.

Constata-se que a violência contra idosos está muito difundida, mas é de difícil combate penal, pois, com frequência, ela ocorre dentro dos próprios lares. Por isso, a vítima não denuncia. Ninguém denuncia! Aliás, com frequência, os agressores sequer assumem que estejam cometendo uma violência… Não raro, os agressores encaram como NORMAIS suas atitudes contra o bem-estar dos idosos.

Diante dessas constatações, estratégias de enfrentamento mais amplas precisam ser traçadas. Ainda que a lei defina como crime essas violências e que a justiça possa puni-las, as crescentes estatísticas demonstram a insuficiência da estratégia punitiva.

Parece claro ser prioritário, dar visibilidade à situação real da violência contra o idoso. Ampliar a consciência (local e mundial) política e social da sua existência. DESNATURALIZAR a sua existência. Para tanto, é preciso que os direitos das pessoas idosas sejam amplamente conhecidos, por toda a sociedade, mas, principalmente, por elas mesmas, para saberem se defender. Além disso, cumpre que sejam conhecidas e divulgadas as penalidades aplicáveis a quem descumprir tais direitos.

Paralelamente, são necessárias ações preventivas que podem ser alcançadas, inicialmente, pela educação intergeracional, com a inclusão de questões sobre o processo de envelhecimento e sobre os direitos dos idosos nos conteúdos escolares. Essa prevenção poderá ocorrer, também, pelo fortalecimento de políticas públicas de orientação e apoio a famílias que abrigam idosos, pela formação de profissionais de saúde, assistência, cuidadores em geral, dentre outras profissões, com formação sobre o fenômeno do envelhecimento e com habilidades para lidar com as limitações dos idosos. Cabe, ainda, investir no cuidado da saúde física, mental e na autonomia da pessoa que envelhece, pois, quanto menor sua dependência, maior sua resiliência e capacidade de se contrapor a violações de seus direitos. Por fim, como parte da prevenção à violência e do fortalecimento do idoso como sujeito de direitos, há também a necessidade de mudança do paradigma familiar que, historicamente, aceita o envelhecimento como algo inexorável, implacável, incomplacente, contra o qual nada se pode fazer… Conhecida e aceita a possibilidade de uma vida longeva, é possível, sim, preparar-se para ela, por meio da educação e de um plano familiar para o envelhecimento.

Por último, sim, as ações corretivas, a aplicação e punição da lei. E para tanto é preciso romper o silêncio. Denunciar toda e qualquer violência ou ameaça de violência contra o idoso. A lei impõe a todos nós, cidadãos, o dever de zelar pela dignidade do idoso, prevenindo e denunciando violações de seus direitos.

Fonte imagem: Freepik.com

Baixar Artigo em PDF


Sobre a autora:

 Maria Joana Barni Zucco

Advogada (OAB/SC 30.863) membro da Comissão do Direito do Idoso da OAB/SC e Conselheira Titular no Conselho Estadual do Idoso – CEI/SC.

E-mail: [email protected]

Navegação por posts